Oferta de Matéria Prima

A disponibilidade de bovídeos prontos para o abate em boa quantidade e qualidade é condição fundamental para o sucesso da indústria da carne.

A baixa produtividade da pecuária, a substituição dessa atividade por outras culturas, o abate clandestino, as operações interestaduais e as exportações de bovídeos vivos são as principais ameaças à oferta de matéria prima ao moderno e vasto parque industrial de abate de animais e processamento de carne.

Elevação da produtividade da pecuária

Embora sejam reconhecidos os extraordinários avanços da pecuária brasileira, na média, ainda persistem os baixos índices técnicos que comprometem a rentabilidade do produtor, desestimulando o aumento da produção e favorecendo a substituição das pastagens pela agricultura.

Por outro lado, a demanda crescente por proteína animal no mundo e as nossas condições favoráveis de clima, disponibilidade de terras, produtores engajados, farta tecnologia apropriada, recursos creditícios e o amadurecimento de uma consciência socioambiental apontam para uma extraordinária perspectiva de incremento da produção com ampla sustentabilidade.

Nesse espaço de crescimento é que a UNIEC, em parceria com diversas entidades está incentivando a implementação do Programa PECUARIANDO – Fazendo uma Pecuária Sustentável e Competitiva.

Programa PECUARIANDO – Fazendo uma Pecuária Sustentável e Competitiva

 Enfrentamento ao mercado informal e clandestino

Estima-se que o abate não inspecionado de animais para alimentação humana ultrapassa 30% do mercado nacional de carnes, concentra-se mais nas periferias das grandes cidades, nas cidades do interior e nas regiões mais pobres do Brasil e persiste graças à ingenuidade e permissividade das pessoas, combinadas com a omissão das autoridades.

O que acontece é que, diante da oferta em estabelecimentos comerciais e feiras quase sempre autorizados ou tolerados pelo poder público, consumidores de boa fé, mal informados e atrás de preços ligeiramente menores, deixam de comprar a carne legal e tornam-se financiadores da ilegalidade, atraindo para si e suas famílias males que farão custar caro a pequena economia feita.

Infelizmente esse problema não se restringe somente ao atentado à saúde pública e ao bem estar dos animais, trata-se de um conjunto de ilegalidades praticadas na forma de crimes ambientais, descuido com a sanidade animal, trabalho escravo, roubo e furto de gado, sonegação fiscal e desrespeito aos direitos do consumidor.

São incalculáveis os prejuízos causados ao Brasil e a toda sociedade brasileira.

No plano nacional, a parte organizada, legal e responsável do mercado pena com a dura concorrência desleal, além de ter que pagar caro pelos danos causados à imagem de todo o setor por esses malfeitores e oportunistas disfarçados de empresários da carne.



No plano internacional, nosso produto é depreciado e o País sofre severas restrições comerciais.

·         Vídeo do Fantástico

·         Vídeo do MPE Bahia

·         Notas da UNIEC

·         Iniciativa do “Conexões Sustentáveis”

·         Programa Carne Natural

 

Controle das operações interestaduais e das exportações de bovinos vivos

As operações interestaduais e as exportações de bovinos vivos são opções de mercado e negócios para produtores, transportadores indústrias e exportadores que se justificam financeiramente em função de alguma vantagem que dispõem comparada às condições da comercialização do boi para as indústrias sediadas no próprio Estado. (exemplo: Lei Kandir)

Embora prevaleça o livre mercado, não faz sentido permitir a evasão de matéria prima quando a indústria local enfrenta uma capacidade ociosa elevada.

O Poder Público deve adotar os mecanismos para equilibrar essa situação, sempre protegendo a economia local.

Decretos ICMS interestadual

Lei Estadual – Taxa de Embarque

Propostas CAMEX

Atualização do Valor de Pauta